A AELG lamenta fondamente o pasamento de Ana Luísa Amaral, Escritora Galega Universal

Desde a Asociación de Escritoras e Escritores en Lingua Galega expresamos a nosa desolación pola morte da nosa Escritora Galega Universal deste 2022, Ana Luisa Amaral, cuxo nomeamento foi ratificado pola Asemblea Xeral da AELG, desde o profundo respecto e afecto á súa persoa e a valoración da altísima calidade literaria da súa obra. Doémonos moito ao saber da súa morte, ela para sempre Escritora Galega Universal .

Ana Luísa acompañáranos coa súa palabra poética na Gala dos Premios Follas Novas do pasado maio, dado que non puidera facelo presencialmente. Agardábamos poder entregarlle a figura de Rosalía de Castro como Escritora Galega Universal no outono deste 2022 en Santiago de Compostela, que lle faremos chegar á súa familia.

En palabras de Marta Dacosta, quen ía facer a laudatio: “Amaral era a poeta que contraria a tradición, a que reinterpretou e volveu falar dos mitos, das personaxes, das figuras prototípicas. Contrariou e ironizou. Nos seus poemas Penélope négase a Ulises e Medea decide ficar no palacio. Lemos os seus poemas como espellos en que a palabra ocupa o lugar exacto, transparente, simbólico, traslada sentimentos, constrúe un mundo propio sen artificios innecesarios. Espida, densa, directa.”

Coimbra: a AELG participa no II Encontro Literário Cidades Invisíveis

A AELG foi convidada a participar nunha das mesas redondas deste Encontro, onde Cesáreo Sánchez Iglesias presidente, conversan o 6 de xuño sobre Cidades e Fronteiras.

“Coimbra tem, desde sempre, uma ligação privilegiada ao universo literário, como ponto de partida da formação de várias gerações de escritores e intelectuais do mundo lusófono, estando na origem de movimentos que marcaram a visão da literatura em Portugal. Com o objetivo de perpetuar e reforçar este vínculo, a cidade prepara-se para receber o II Encontro Literário Internacional “Cidades Invisíveis”, promovido pela Câmara Municipal e pela Alliance Française de Coimbra.
De 6 a 9 de junho, a iniciativa – que conta com um notável e diversificado conjunto de atividades a decorrer no Convento São Francisco e na Casa da Escrita – convida os participantes a mergulhar nos imaginários urbanos presentes em diversas práticas artísticas.
Centrado nas relações existentes entre Cidade e Literatura, o encontro vai receber escritores franceses, portugueses e galegos que visam interagir com todos os participantes em mesas-redondas (“Cidades e Fronteiras”, “Literaturas, Línguas e Linguagens”, “Quem lê o quê? Best-sellers, memória e esquecimento”), tertúlias, conversas informais, performances e momentos de leitura, protagonizados por escritores e atores.
Vão participar neste encontro os escritores galegos Carlos Quiroga, Teresa Moure e Cesáreo Sánchez Iglesias, Presidente da Associação galega de Escritoras e Escritores, os escritores franceses François Beaune, Marie Cosnay e Thomas Dupuis, ilustrador, e os escritores portugueses: João Rasteiro, Vasco Pereira da Costa, Julieta Monginho e João Tordo.
A escritora francesa de origem marroquina, Leïla Slimani, galardoada com o Prémio Goncourt em 2016 com o romance Chanson Douce, vai estar presente no dia 6 de junho, no Convento São Francisco.
Um momento do encontro será consagrado à reflexão e debate sobre as Casas de Escritor e as Residências Literárias, contando com a presença de Marlene Oliveira, diretora da Fundação Cupertino de Miranda em Famalicão e de Sandra Beucher, Directora da Casa Bloch, em Poitiers.
Durante o encontro serão visitadas as seguintes exposições: “Os sons das nossas histórias”, de Coimbra ao Mediterrâneo, a partir da obra do escritor francês convidado François Beaune, “La lune et le puits” (“A Lua e o poço”), “Pontos de Fuga” (ensaios foto-poéticos de Elsa Margarida Rodrigues e João Maria André) e “O Portugal de José Saramago em fotografia”.
Nos dias 8 e 9 de junho decorrem também ateliers de escrita e de desenho, animados pelo escritor e ilustrador Thomas Dupuis, para crianças (Flip-Books), adolescentes e jovens universitários (atelier bande dessinée), no Convento São Francisco e na Alliance Française de Coimbra.

Programa completo do II Encontro Literário Internacional:

6 de junho
14h00: Sessão de Abertura no Convento São Francisco
14h30: Mesa-redonda de escritores I
Cidades e Fronteiras (Marie Cosnay, Cesáreo Sánchez Iglesias, Julieta Monginho).
Moderadora: Ana Filomena Amaral
16h00: Mesa-Redonda de escritores II
Casas de Escritor e Residência de Artistas: Francisco Paz (Casa da Escrita, Casa-Museu Miguel Torga), Sandra Beucher (Casa Bloch, Poitiers), Marlene Oliveira, diretora da Fundação Cupertino de Miranda em Famalicão e Vice-Presidente da ACAMFE (Associación de Casas-Museu e Fundaçiones de Escritores de Espanha).
Moderador: Fernando Madaíl
18h00: Inauguração da exposição: “Os sons das nossas histórias” (de Coimbra ao Mediterrâneo)
19h00: Visita a exposição: “Pontos de Fuga” (ensaios foto-poéticos de Elsa Margarida Rodrigues e João Maria André), com a presença dos autores e leitura de poemas por atores da Cooperativa Bonifrates.

7 de junho
10h30: Visita à Universidade de Coimbra, Património da Humanidade
13h00: Almoço no Museu de Machado de Castro
15h00, Casa da Escrita: A literatura portuguesa em França: tradução e edição. Conversa com Michel Chandeigne
Mesa-redonda de escritores III
Literaturas, Línguas e Linguagens – Teresa Moure, João Tordo, Thomas Dupuis. Moderador: Stéphane Bikialo
17h00: À conversa com Vasco Pereira da Costa, António Pedro Pita (50 anos de vida literária)
Espaço de encontro – Café Biblioteca Cochofel

8 de junho
9h30: Visita Casa-Museu Miguel Torga
11h30: Roteiro Literário: Coimbra e os seus escritores
13h30: Almoço no Museu Machado de Castro
15h00 – Casa da Escrita
Conversa com a escritora Leïla Slimani (Prémio Goncourt 2016)
16h00: Mesa-redonda de escritores IV
Quem lê o quê? Best-sellers, memória e esquecimento (João Rasteiro, Carlos Quiroga, François Beaune).
Moderadora: Susana João Carvalho
18h00: Leituras / Histórias verdadeiras (François Beaune)
Espaço de encontro – Café Biblioteca Cochofel
21h45 – Espetáculo “Quero dançar o poente”, pelo grupo de teatro Bonifrates

9 de junho
11h00: Visita à Bienal Anozero, Santa Clara-a-Nova
13h00: Almoço na Praxis
15h00 – Casa da Escrita
Em jeito de celebração: O Portugal de José Saramago, Rui Jacinto e António Pedro Pita
16h00: Encerramento
19h00: Sarau Literário com a SESLA – Ave Casa